Ocorreu um erro neste gadget

RADIO

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Linguagem coloquial ou culta

" É necessário o respeito ao modo de falar de cada pessoa, de cada região, porém existe um padrão da nossa língua que precisa ser respeitado em situações formais de escrita " .

Pneu Furado !

O carro estava encostado no meio-fio, com um pneu furado. De pé ao lado do carro, olhando desconsoladamente para o pneu, uma moça muito bonitinha.
Tão bonitinha que atrás parou outro carro e dele desceu um homem dizendo
"Pode deixar". Ele trocaria o pneu.
- Você tem macaco? - perguntou o homem.
- Não - respondeu a moça.
- Tudo bem, eu tenho - disse o homem - Você tem estepe?
- Não - disse a moça.
- Vamos usar o meu - disse o homem.
E pôs-se a trabalhar, trocando o pneu, sob o olhar da moça.
Terminou no momento em que chegava o ônibus que a moça estava esperando. Ele ficou ali, suando, de boca aberta, vendo o ônibus se afastar.
Dali a pouco chegou o dono do carro.
- Puxa, você trocou o pneu pra mim. Muito obrigado.
- É. Eu... Eu não posso ver pneu furado. Tenho que trocar.
- Coisa estranha.
- É uma compulsão. Sei lá.

(Luís Fernando Veríssimo. Livro: Pai não entende nada. L&PM, 1991).

O Pianista !

   Władysław Szpilman, um pianista judeu-polonês famoso que trabalha na rádio de Varsóvia, vê seu mundo acabar,se destruir com o começo da Segunda Guerra Mundial e a Invasão da Polônia em 1 de setembro de 1939.
   Os alemães bombardeiam a radio onde Szpilman trabalha. Ele foi para casa e descobre que o Reino Unido e a França declararam guerra contra a Alemanha Nazista. Sua família e ele se alegram achando que a guerra vai logo acabar.
   As condições de vida da população judia começa a ficar ruim, pois a maioria dos seus direitos estavam sendo retirados, proibidos, como por exemplo não sentar mais em bancos em praças públicas, lanchonetes não aceitavam judeus, e foram obrigados a utilizar uma faixa no braço com a Estrela de Davi para serem identificados. Em 1940 são forçados a ir para o Gueto de Varsóvia, onde enfrentaram medo, fome, desnutrição e a constante fobia da morte e a tortura.
   Muitas famílias foram colocadas como parte da Operação Reinhard para deportação em um campo de extermínio em Treblinka,inclusive a de Szpilman. Os judeus foram forçados a entrar em vagões de trem, e felizmente Szpilman é salvo no último minuto por um amigo seu, policial do gueto.Mesmo separado de sua família, ele consegue sobreviver.
   Primeiramente, ele foi colocado como um trabalhador escravo,e durante esse tempo um outro trabalhador judeu lhe fala duas informações. Uma delas é que os judeus sabem que muitos alemães planejam matá-los. A outra é que um levante contra os alemães está sendo feito.Szpilman se oferece para ajudar, onde começa a contrabandear armas para dentro do gueto,sendo quase pego em certo momento.
   Antes do levante começar, Szpilman vai se esconder fora do gueto, contando com a ajuda de seus antigos conhecidos da rádio que eram não-judeus.Enquanto estava escondido, ele contava os horrores ocorridos.                                                                                                   Finalmente, em 1943 ele fala sobre o Levante do Gueto de   Varsóvia que ele ajudou a erguer, só que infelizmente a maioria dos judeus foram mortos.
  Após passado um ano,...