Ocorreu um erro neste gadget

RADIO

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Ortografia Dicas de ortografia



 

Objetivos:

Este tutorial vai ajudá-lo, a entender as regras gramaticais envolvidas no uso de palavras que comumente temos dificuldades de empregá-las como, por exemplo: onde, aonde, mau, mal, a, há. Explana os encontros vocálicos, encontros consonantais e as regras de divisão silábica.

Pré-requisitos:

Que tenha acompanhado os estudos propostos pelo tutorial anterior, o Gramática I. E que tenha por objetivo melhorar a sua arte da comunicação. A matéria sobre os usos ortográficos especiais poderá ser prontamente colocada em prática ao conversar com alguém. Lembre-se que ter sabedoria é mais do que ter conhecimento, é aplicar todo conhecimento que têm! Seja uma pessoa sábia!

Usos ortográficos especiais


» Onde / aonde

Onde: É usado junto com verbos que não transmitem idéia de movimento.

- Te procurei, mas não sabia onde você estava.

- Onde está a faca?

Aonde: Equivale a para onde. É usado para transmitir idéia de movimento.

- Aonde você vai?

- Aonde vamos?

» Cessão / sessão / secção / seção

Cessão: significa “ceder, conceder, oferecer, dar”.

- Cedi todos os meus bens aos pobres.

- O governo cedeu verba para a educação.

Sessão: significa “intervalo de duração”.

- A câmara dos deputados reuniu-se em sessão extraordinária.

- última sessão de cinema.

Secção ou seção: significa “parte, segmento, subdivisão”.

- Quero ler a seção de fofoca.

- Trabalho na seção de informações.

- Vou ligar na secção de informações.

» Mas / mais

Mas: equivale a “porém, entretanto, contudo”.

- Queria muito ir, mas tenho que trabalhar.

- Sei de tudo, mas não posso falar.

Mais: é o oposto de menos.

- Eu pesquisei mais.

- Estou mais preparado agora do que antes.

» Mau / mal

Mau: é um adjetivo, antônimo de bom.

- Menino mau!

- Passei por maus pedaços.

- Mal: equivale a “assim que, logo que, quando”.

- Mal vi a cena, chorei!

- Mal também pode ser usado como antônimo de bem.

- Estou mal humorada.

» Por que / por quê / porque / porquê

Por que (separado e sem acento) é empregado quando:

- O que equivale a qual motivo.

- Por que você foi lá? (Por qual motivo você foi lá?)

- O que equivale a qual razão ou qual motivo.

- Não sabemos por que ele faleceu. (por qual razão)

- Por que é usado também como um equivalente a pelo qual / pela qual / pelos quais / pelas quais.

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Regência Verbal e Nominal

Definição:
Dá-se o nome de regência à relação de subordinação que ocorre entre um verbo (ou um nome) e seus complementos. Ocupa-se em estabelecer relações entre as palavras, criando frases não ambíguas, que expressem efetivamente o sentido desejado, que sejam corretas e claras.
REGÊNCIA VERBAL
Termo Regente:  VERBO
A regência verbal estuda a relação que se estabelece entre os verbos e os termos que os complementam (objetos diretos e objetos indiretos) ou caracterizam (adjuntos adverbiais).
O estudo da regência verbal permite-nos ampliar nossa capacidade expressiva, pois oferece oportunidade de conhecermos as diversas significações que um verbo pode assumir com a simples mudança ou retirada de uma preposição. Observe:
A mãe agrada o filho. -> agradar significa acariciar, contentar.
A mãe agrada ao filho. -> agradar significa "causar agrado ou prazer", satisfazer.
Logo, conclui-se que "agradar alguém" é diferente de "agradar a alguém".
Saiba que:
O conhecimento do uso adequado das preposições é um dos aspectos fundamentais do estudo da regência verbal (e também nominal). As preposições são capazes de modificar completamente o sentido do que se está sendo dito. Veja os exemplos:
Cheguei ao metrô.
Cheguei no metrô.
No primeiro caso, o metrô é o lugar a que vou; no segundo caso, é o meio de transporte por mim utilizado. A oração "Cheguei no metrô", popularmente usada a fim de indicar o lugar a que se vai, possui, no padrão culto da língua, sentido diferente. Aliás, é muito comum existirem divergências entre a regência coloquial, cotidiana de alguns verbos, e a regência culta.
Para estudar a regência verbal, agruparemos os verbos de acordo com sua transitividade. A transitividade, porém, não é um fato absoluto: um mesmo verbo pode atuar de diferentes formas em frases distintas.

Palavra Oxítona
As palavras oxítonas são aquelas cuja acentuação tônica repousa na última sílaba.
Exemplos: sa, barril, porão, tabu, ci, i, lavar, cari, maracu, baniu, papai.
Palavra Paroxítona
As palavras paroxítonas são aquelas cuja acentuação tônica repousa na penúltima sílaba.
Exemplos: chuva, leito, seca, bata, boneca, cil, útil, tranquilo, ceps, rax, podem, tão,
Palavra Proparoxítona
As palavras proparoxítonas são aquelas cujo acentuação tônica se apresenta na antepenúltima sílaba. Por regra geral, todas as proparoxítonas são graficamente acentuadas (acento agudo para a vogal oral a, para as vogais abertas e e o e para a vogais i e u, ou acento circunflexo no caso de representação das vogais e e o fechadas e da vogal a seguida de n e m).
Exemplos: príncipe, amico, último, roco, esquetico, lamo, sândalo, bálsamo, tráfego, trôpego, ônibus, nico.